voltar Dia da Engenharia Brasil-Alemanha discute formação e atuação do engenheiro na transformação do país

Dia da Engenharia Brasil-Alemanha discute formação eatuação do engenheiro na transformação do país

Cerca de 300 participantes,entre empresários, executivos, acadêmicos, profissionais de classe e estudantes,reuniram-se na 9ª edição do Dia da Engenharia Brasil-Alemanha, evento promovido pela Associação de Engenheiros Brasil-Alemanha (VDI-Brasil) em 22 de novembro,em São Paulo (SP), a fim de discutir o papel na engenharia na transformação do Brasil.

“Para absorver novos conceitos e garantir que os potenciais da nova era digital sejam amplamente explorados no país, é necessário refletir sobre como formar os engenheiros do futuro”, destacou o presidente da VDI-Brasil e da ZF América do Sul, Wilson Bricio,na solenidade de abertura, quando convidou os presentes a se engajarem nas iniciativas da VDI e a partirem para a ação efetiva rumo à mudança.

Na palestra de abertura, o presidente e CEO da Siemens no Brasil, André Clark,salientou que a recuperação econômica do país pressupõe a reconexão com as cadeias globais de valor, reindustrialização, reinvenção completa do Estado, busca incessante por produtividade – que é tarefa de engenheiros –, e investimento sem infraestrutura, tendo em vista o crescimento sustentável.

Conforme contextualizou o executivo, o país mudou após a Operação Lava Jato, de modo que ética e compliance serão fundamentais para a economia nos próximos ciclos, além do que o tempo das taxas de juros menores e do rentismo acabou, exigindo que o país agora seja mais empreendedor,alicerçado na economia real. Na trajetória de retomada, ele acredita que a economia de baixo carbono terá grande relevância.

Nesse cenário de transição, para Clark, o engenheiro tem o papel de estar com os pés em interfaces, em dois mundos: local e global, digital e real, teoria e negócio.“Temos que ser fluentes em um mundo de linguagens, promover o desenvolvimento disruptivo, ter senso de empreendedorismo, combinar conhecimentos e demonstrar nossa capacidade de engenhar e resolver problemas. Se nós, enquanto comunidade,não formos porta-vozes junto às nossas matrizes da mensagem de que o Brasil está mudando para melhor, essa noção não virá de fora. Vamos juntos recuperar nosso espaço”, provocou.

 

Digitalização e Tecnologias Disruptivas

Ao longo da tarde, foram realizados quatro painéis com especialistas, representantes de empresas e de instituições de ensino e pesquisa, os quais fomentaram discussões sobre: Digitalização e Tecnologias Disruptivas; Diversidade e Atratividade na Engenharia;Empreendedorismo na Engenharia; e Cooperação Empresa-Universidade.

No evento, a mais nova edição da Revista Engenharia Brasil-Alemanha foi lançada,trazendo matérias sobre os temas dos painéis. A publicação pode ser acessada pelo link: http://info.vdibrasil.com/revista-engenharia-vdi-2017. Além disso, pela primeira vez, o Dia da Engenharia contou com um recurso interativo de votação em tempo real, destinado a avaliar o impacto dos debates sobre a opinião do público.

O painel“Digitalização e Tecnologias Disruptivas” teve moderação do presidente da Associação Brasileira de Internet Industrial (ABII), José Rizzo, e reuniu os debatedores Daniel Moczydlower, diretor de desenvolvimento tecnológico da Embraer; José Frias Borges Júnior, diretor de estratégia e business excellence das divisões Digital Factory; Process Industries and Drives e Building Technologies da Siemens; e João Visetti, diretor-presidente da Trumpf Brasil.

Conforme indicou Rizzo, observar tendências para entender o que o mercado quer – como a personalização, a economia de compartilhamento e a precificação baseada em uso–, investir em ecossistemas colaborativos e buscar agilidade e adaptação são alguns dos principais fatores de sucesso em modelos de negócio inovadores.

Exemplo disso, o diretor de desenvolvimento tecnológico da Embraer relatou, ao falar sobre disrupções no mercado da aviação, que ao invés de venderem aeronaves, os fabricantes começam a vender hora voada, em função da mudança na demanda dos clientes.O desafio, na visão de Moczydlower, é acelerar o processo de desenvolvimento e certificação das tecnologias. Segundo o executivo, atualmente, Embraer e Uber estudam uma solução para mobilidade urbana vertical e horizontal.

 

Diversidade eAtratividade na Engenharia

O painel “Diversidade e Atratividade na Engenharia” contou com a participação dos debatedores Geovana Donella, Conselheira de Administração e CEO da Donella & Partners; de Simon Girntke, diretor da Dress & Sommer do Brasil; da professora Sheyla MaraBaptista Serra, Diretora do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia daUFSCar; e de Débora dos Santos Carvalho, engenheira ambiental pela Escola Politécnica da USP (Poli-USP). A moderação ficou a cargo de Theo van der Loo,CEO da Bayer Brasil.

Na ocasião, foram discutidas iniciativas, experiências e caminhos para a valorização das diferenças e aumento da diversidade nas instituições de ensino superior e no mercado de trabalho. Van der Loo, por exemplo, falou sobre o programa de inclusão de LGBTs na Bayer. Débora chamou a atenção para o ainda reduzido número de engenheiras nos cursos da Poli-USP. E a professora Sheyla destacou ações de inclusão na UFSCar, como a reserva de cotas, a criação do curso de LIBRAS, a autorização para uso do nome social no diploma e nos documentos do aluno transexual e a oferta de vagas para indígenas.

 

Empreendedorismo na Engenharia

Moderado por Carolina da Costa, vice-presidente de graduação do Insper,o painel “Empreendedorismo na Engenharia” reuniu os debatedores Humberto Pereira, presidente da Anpei; Bruno Gellert, CEOe fundador da Peerdustry; Sergio Gargioni, presidente daFAPESC e professor da UFSC; e Afonso Lamounier,vice-presidente para assuntos corporativos e relações governamentais para Brasil e América Latina da SAP.

Durante o debate, Gargioni frisou que os estudantes de engenharia, hoje, querem ser empreendedores, masque a universidade não os forma para isso, pois os professores continuam os mesmos. Por outro lado, lembrou que há iniciativas bem-sucedidas, como o Sinapse da Inovação, programa da UFSC de incentivo ao empreendedorismo. Bruno Gellert, por exemplo, teve seu primeiro emprego em uma startup que surgiu a partir do Programa e, hoje, tem sua própria empresa, a Peerdustry, que já fatura R$ 14 milhões. 

Para o presidente da Anpei, embora nem todo o peso da formação empreendedora deva ser atribuído às universidades, elas têm um papel importante, de ensinar tanto as soft skills quanto o conhecimento fundamental. Contudo, há um desequilíbrio entre as ações de formação e pesquisa na atuação docente. Neste sentido, ele entende que é preciso mudar os currículos e a maneira de formar pessoas, para que sejam mais ativas e saibam aprender ao longo da vida.

 

CooperaçãoEmpresa-Universidade

O painel “Cooperação Empresa-Universidade”contou com a participação dos debatedores Patrick Silva, Diretor de Infraestrutura para América do Sul da BASF; Jefferson Gomes, professor do ITA, diretor regional do SENAI/SC e consultor da UNESCO sobre Indústria 4.0; André Luís Helleno, professor da Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie; e Johannes Roscheck,presidente e CEO da Audi no Brasil. A moderação foi realizada por Mauricio Muramoto, Sócio-diretor da MHMURA Assessoria Empresarial.

Os debatedores abordaram os desafios na interação universidade-empresa, na transferência de conhecimentos e tecnologias para a sociedade por meio de projetos de P&D e na formação de engenheiros preparados para trabalhar em cooperação e atentos à geração de inovação e valor. Por fim, Helleno frisou a importância de realizar competições, incentivar os alunos a ultrapassarem seus limites, além de promover ações de valorização dos engenheiros formados e dos futuros profissionais.

 

3º PrêmioVDI-Brasil

A trajetória da Empresa Brasileira de Inovação Industrial (EMBRAPII) para transformar tecnologia e conhecimento científico em benefícios para toda a sociedade brasileira foi apresentada pelo diretor-presidente da entidade, Jorge Almeida Guimarães, na palestra de encerramento do Dia da Engenharia. Ele explicou que a aproximação entre academia e setor privado se dá por meio das 42 Unidades EMBRAPII (UEs) existentes, que têm um plano de ação de seis anos, prevendo o número de projetos que serão realizados,a quantidade de empresas envolvidas e a estimativa do custo total.

Para encerrar as atividades do Dia da Engenharia,foi realizada a solenidade de entrega do 3º Prêmio VDI-Brasil – Destaque da Engenharia Brasil-Alemanha, cujo vencedor foi Hermann Wever, engenheiro civil e eletricista graduado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e ex-presidente da Siemens, responsável por orquestrar a participação da empresa alemã em alguns dos maiores legados da engenharia no Brasil, como a construção das hidrelétricas de grande porte.

Participaram da premiação Pedro Wongtschowski, Presidente do Conselho de Administração da EMBRAPII e vencedor da 1ª edição do Prêmio, e Maurício Lopes, Presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e vencedor da 2ª edição. No início da noite,foi realizado um jantar beneficente com renda revertida para a Sociedade Beneficente Alemã (SBA) Girassol, de Grajaú, São Paulo. 

Fonte: VDI